Acessando a Internet com Imagem?

imagem

A revolução do hiperlink para a Internet móvel, que já é mania em países como o Japão e promete virar rotina no seu celular muito em breve. A idéia é tão simples quanto genial: ao invés de digitar um endereço (URL) no celular, bastará apontá-lo para uma imagem, que será interpretada como um endereço na Internet.

A tecnologia por trás da “mágica” se chama código 2D (ou mobile tag), e usa o mesmo princípio do código de barras que existe em qualquer pacote de biscoito. No supermercado, o pacote de biscoito passa por um feixe de luz e um programa interpreta o código de barras, revelando seu preço. No caso do código 2D, o desenho é analisado pela câmera do celular que, com a ajuda de um programa especial, converte a imagem num link para algum conteúdo online. Que pode ser um site, um vídeo, uma mensagem de voz, ou o que a imaginação for capaz de inventar.
Criado em 1994 pela japonesa Denso-Wave, o QR Code (sigla do inglês para código de resposta rápida) é o mais amplamente difundido código 2D, embora não seja o único. A lista inclui formatos como Datamatrix, Flash Tag, Microsoft Tag, entre outros.

Uma das vantagens do QR Code é não ser proprietário, assim como o Datamatrix, ou seja, não é preciso pagar para criar as imagens. Há vários sites na Internet que geram links QR Code de graça. Entre os programas leitores também há versões gratuitas para o usuário final, como o I-nigma.

Para interpretar as imagens, o celular precisa de um programa leitor. Se o celular não sair de fábrica com esse aplicativo, como o N95 e o E71, o usuário precisará baixá-lo.

No Brasil, a Trevisan Tecnologia licencia o I-nigma, que é gratuito para o usuário. Segundo o diretor comercial Vinícius Vasconcelos, o leitor está em 60 milhões de aparelhos no mundo e é compatível com 250 modelos. No Brasil já são 20 mil usuários. “Queremos chegar a 500 mil este ano já que 45% dos celulares no País são compatíveis”, explica.

A tecnologia não funciona em todos os celulares com câmera, mas é compatível com muitos modelos.

Quando surgiu nos anos 90, o código 2D foi usado em fábricas de automóveis para identificar a ordem de montagem de placas de aço. Hoje, tudo o que estiver online pode ser associado a um código 2D: sites, vídeos, mensagens de voz, textos. No Japão, onde o QR Code e similares são mania nacional, eles estão por toda parte.

Uma rede de lanchonetes, por exemplo, imprime códigos 2D nas embalagens dos alimentos. Ao apontar o celular para a imagem, o consumidor recebe informações sobre o valor nutricional do alimento. Segundo Marcelo Castelo, diretor da agência digital F.Biz e autor do blog mobilepedia.com.br, o caso mais curioso que ele teve notícia foi um cemitério japonês que usou QR Codes nas lápides. O link levava a um site para celular com a biografia do falecido.

Hummm… Muito interessante!! Realmente vai facilitar nossas vidas, menos um trabalho… Mas deve ter cada imagem!!!
Odia

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: