Apple ultrapassa Microsoft em valor de mercado

A Apple, fabricante do iPhone e do iPad, ultrapassou a Microsoft em valor de mercado pela primeira vez nesta quarta-feira (26) e assumiu o posto de maior empresa de tecnologia do mundo, segundo informações da agência Reuters e da consultoria Capital IQ.

Com base no valor das ações das duas companhias no mercado, a Apple ultrapassou por volta das 15h30 (no horário de Brasília, 14h30 no horário de Nova York) o índice de US$ 227 bilhões da Microsoft, criadora do sistema operacional Windows e do pacote Office. Já na análise da Capital IQ, que leva em conta também débitos e o caixa da empresa, a Apple vale US$ 200 bilhões, contra US$ 197 bilhões da Microsoft.

Na tarde desta quarta-feira, as ações da Apple tiveram alta de 1,8%, dando à companhia o valor de US$ 227,1 bilhões. No mesmo período, as ações da rival Microsoft caíram 1%, fazendo com que o valor da gigante ficasse em US$ 226,3 bilhões. Às 17h (horário de Brasília), o valor da Apple seguia acima do da Microsoft.
É a virada mais importante que eu já vi no Vale do Silício”
Jim Breyer

Agora, a Apple, que quase fechou as portas durante uma crise administrativa nos anos 90, é a segunda maior companhia que integra o índice S&P 500. O primeiro lugar é do grupo de energia Exxon Mobil, com US$ 282 bilhões.

Virada da década
O valor da ação da Apple é 10 vezes maior que há 10 anos, quando a empresa começou a lucrar com a revolução que gerou no setor de eletrônicos com produtos estilosos como iPod, iPhone e notebooks MacBook.

Já a Microsoft, que produz o sistema operacional usado em 90% dos computadores do mundo, não conseguiu o mesmo sucesso para suas ações. Suas ações caíram cerca de 18% na comparação com o preço de 10 anos atrás.

“É a virada mais importante que eu já vi no Vale do Silício”, disse ao “New York Times” Jim Breyer, um capitalista de risco que investiu em algumas das mais bem-sucedidas empresas de tecnologia.

A Apple, que teve dificuldade durante muitos anos para popularizar seus produtos, aceitou um investimento de US$ 150 milhões da Microsoft em 1997 para se manter viva.

A Microsoft sempre preocupada com seus lucros exorbitantes sendo ultrapassada pela Apple? Eles não deixarão isso barato… Nada ficará barato mesmo…

Fonte: G1

Estudo avaliará impacto de celulares na saúde

Um novo estudo examinando a relação entre o uso de aparelhos celulares e problemas de saúde no longo prazo, como câncer e doenças neurológicas, foi lançado em cinco países europeus. A pesquisa deve durar algumas décadas.

Organizadores disseram que o estudo Cohort sobre Comunicações Celulares (Cosmos, sigla em inglês) seria a mais ampla realizada sobre o tema, examinando mais de 250 mil pessoas entre 18 e 69 anos de idade na Grã-Bretanha, Finlândia, Holanda, Suécia e Dinamarca.

O professor Paulo Elliott, principal cientista na Imperial College de Londres para a parte britânica do estudo, disse que dados de pesquisas anteriores que examinaram a relação com a saúde têm sido, até agora, tranquilizadores, mas apontou que essas pesquisas frequentemente se limitam a um período de cerca de 10 anos.

Como muitas formas de câncer demoram mais tempo para se desenvolverem e os aparelhos celulares ainda são recentes, Elliott disse que há a necessidade de um estudo de longo prazo.

O estudo Cosmos observará os efeitos durante um período de tempo maior, de 10, 20 ou 30 anos. O monitoramento a longo prazo permitirá mais tempo para o desenvolvimento de possíveis doenças.

Entidades como a Organização Mundial da Saúde, a Sociedade Americana do Câncer e o Instituto Nacional de Saúde, todas concluíram que provas científicas até agora não demonstram efeitos prejudiciais à saúde associados ao uso de aparelhos celulares.

Tem um amigo meu que fala isso há um bom tempo… Que dentro de alguns anos, descobriremos várias doenças devido a utilização de celulares, notebooks e outros…

Fonte: G1